quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

A Programação NeuroLinguística (PNL) ao serviço do desporto


Costumo dizer que há profissões e profissões e há desportos e desportos. E há desportos que valorizo muito....

Num desporto colectivo e de longa duração, como por exemplo o futebol, o atleta pode passar por vários estados e mesmo assim, o balanço geral ser positivo

Num desporto individual, e de curta duração, como por exemplo a ginástica, na trave ou um numa cama elástica, os atletas dispõem apenas de alguns segundos para mostrar o que valem... Uma determinada acrobacia que demorou meses ou até anos a treinar para ser exibida e cotada numa determinada prova, pode cair por terra num único segundo...

O Leitor é da área do desporto? Pratica já praticou algum desporto (excluindo o desporto do sofá praticado por muitos portugueses)?...

De certa forma, todos nós já praticámos alguma coisa, nem que remotamente enquanto estudávamos.

Muito bem.

Todos nós já tivemos a sensação de estar a viver uma fase de sucesso em tudo o que fazemos, uma sensação onde nada do que fazemos é mal feito, um momento em que tudo se ilumina à nossa volta e dentro de nós há uma voz a ecoar “Boa!”… Daqueles momentos em que parece que tudo corre bem e que até nos surpreendemos a nós próprios!...

Provavelmente também tiveram a experiência oposta – um dia em que nada corre bem… ocasiões em que, coisas que normalmente se faziam com facilidade, correm mal, um momento em que todas as portas se fecham e em que tudo o que se tenta fazer dá mau resultado…

Também conhecem este tipo de situação, certo? E são diferentes, verdade?

Pois, é verdade …

Há diferença e essa diferença está no seu estado neurofisiológico no momento.

Há estados habilitadores, como confiança e força interior, que originam um forte poder pessoal.

Há estados como medo, ansiedade ou frustração que nos deixam impotentes.

E o que é que isto tem a ver com o desporto?

Em alta competição, para terem sucesso, atletas de excelência têm que ter talento (habilidades) e empenho/ hard work (motivação) e têm que ter controlo sobre a sua mente (gerindo as suas crenças, convicções, e capacidade de actuar sob pressão).

Segundo Timothy Galway – pioneiro no mundo da psicologia aplicada ao desporto, com o tema de Inner game of Tennis, que posteriormente veio a ser um pilar fundamental no coaching empresarial, um jogador enfrenta dois jogos em simultâneo, o jogo que se processa no campo e o jogo que ocorre na mente do atleta e que cria um diálogo por vezes ensurdecedor.

“O corpo obedece diretamente às construções da mente. Sem a construção mental adequada (que em PNL chamamos representação interna) ao sucesso, o corpo não responde como deveria.”
Corpo e mente influenciam-se mutuamente – Um dos pressupostos da PNL.

O interesse no emprego dos conhecimentos do funcionamento da mente e a aplicação na prestação do desporto tem vindo a crescer e a PNL, também definida como a ciência e a arte da “modelagem da excelência”, tem muito para contribuir.

Não é por acaso que estão a tentar modelar o Cristiano Ronaldo, o que é que ele tem que faz a diferença, o que diferencia um jogador que tem êxito com um que não tem…

Tem talento, verdade, já foi demonstrado com testes científicos com o a sua estrutura física, as suas características potenciam as suas habilidades, a altura da perna…., o que só foi conseguido graças ao seu árduo treino, como diz Mourinho “Um jogador só pode jogar no limite se treinar no limite… o jogo é o espelho de um treino. Quanto maior for a determinação no treino, maior é a determinação no jogo.”

Com isso, para além da estrutura física desenvolvida, também o seu inconsciente armazenou um conjunto infindável de informação que lhe permite ter a perícia de marcar um golo na marcação de um canto, mesmo sem luz.

Agora ele pode ter tudo isto mas…estar num estado sem recursos, ou seja, com medo, falta de confiança, ansiedade…

Na verdade, quantos de vocês, no decorrer da vossa prática desportiva favorita, não escutou já uma vozinha de fundo a sussurrar, dizendo “não vais conseguir, não estás preparado!…” ou eu não treinei o suficiente para descer aquela pista negra….vou cair”.

Muitas vezes por muito empenhados que sejamos nos treinos algo nos diz que não estamos verdadeiramente preparados ou que não estamos a dar o máximo para ter sucesso.

A PNL fornece-nos várias ferramentas, como por exemplo:

  • Realidade construída com técnicas de visualização: “A associação com os passos detalhados da atividade em causa cria um estado que ativa os neurotransmissores que depois alimentam a fisiologia e tornam o desempenho pretendido alcançável.”
  • Realidade distorcida: Podemos também construir realidades que nos limitam. Quantos jogadores de futebol ao marcarem penáltis, vêm uma baliza pequena e um guarda-redes enorme?

A boa notícia é que com a PNL podemos construir a representação interna adequada a cada situação.

No desporto como em qualquer outra realidade da vida, não basta ter talento e ser empenhado, é necessário ter o estado emocional certo, corpo e mente influenciam-se mutuamente. “Mente confiante,  Corpo confiante!”

A aplicação de técnicas PNL é rápida e eficaz, os resultados ocorrem a curto-prazo.

Conheça mais e ouse experimentar!

Sem comentários:

Publicar um comentário